quinta-feira, 18 de abril de 2019

Qual melhor lua para pescar?

Clique aqui e acesse a Câmera da Plataforma de Cidreira




Muito se fala sobre a influência da lua e das marés na
 produtividade da prática da pesca. São realmente fortes 
influências, que tentaremos explicar com simplicidade 
e clareza para aqueles que não sabem como estes 
elementos interferem na pesca. 
São conhecimentos imprescindíveis para qualquer pescador esportivo.
O movimento da marés tem causa nas atrações 
gravitacionais existentes entre a Terra, a Lua e o Sol. 
O posicionamento da Lua e do Sol em relação à Terra
 determinam como se comportam os níveis do mar, e 
conseqüentemente dos rios e canais litorâneos. 
Por isso, temos as marés grandes e pequenas, 
ou comumente chamadas de marés vivas e mortas.
Afirmar categoricamente qual melhor maré ou lua para se 
praticar a pesca é algo impossível. Entretanto, é fato que nas 
chamadas marés pequenas mortas, que acontecem quando 
a Lua está em fase minguante ou crescente, a correnteza é 
menor, facilitando o posicionamento das iscas onde se deseja. 
Outro fato, é que nestas marés, os peixes terão uma área menor
 a circular na sua busca por alimentação, já que teremos um
 considerável volume água a menos nas áreas de pesca.
 Em verdade, seguindo estas considerações, podemos dizer 
que nas luas de quarto, ou nas marés mortas, a produtividade 
da pesca tende a aumentar. Mas não podemos esquecer que
 as variantes existentes em função dos lugares, das espécies 
de peixes, entre outras, podem modificar esta colocação e, por isso
 mesmo, nunca devemos desprezar a análise de conhecedores da
 região onde se pretende pescar.
A força de sua gravidade interfere no movimento das marés, na agricultura e na pesca.                                                                                                            A cada vinte e nove dias e meio, a Lua completa sua órbita em torno de nosso planeta.                                                                                                            Durante estes dias notamos que seu brilho e forma variam de quatro                                                                                                                          maneiras, que são as fases lunares.
As fases da Lua na pesca são consideradas pelos pescadores há muito tempo.                                                                                                                        Hoje em dia, muitos consideram que as fases da Lua são fundamentais para                                                                                                                            definir o sucesso em uma pescaria, mas há de se considerar outros                                                                                                                                            fatores importantes como a temperatura externa, temperatura da água,                                                                                                                            a pressão atmosférica, se houve alteração                                                                                                                                                                              na coloração em razão de chuvas, baixa ou aumento de volume de água                                                                                                                          dentre outros fatores que também influenciam no comportamento dos peixes.

https://www.pescamadora.com.br/calendario-de-pesca/
Em outras palavras, se quiser fazer um
estudo antecipado do local de pesca desejado, faça
 um cruzamento da tábua de maré com o calendário
 lunar, veja quando ocorrerão as marés mortas, mas
 não esqueça de consultar um pescador nativo
da região. Existem peixes que costumam ser
 mais encontrados em marés vivas, dependendo do local.

Na Lua nova existe uma falta de luminosidade lunar que faz com que os peixes 
fiquem no fundo das águas, período neutro.

Na Lua crescente a luminosidade ainda é pequena e são pouco os peixes que
 sobem a superfície, período regular.

Na Lua cheia a luminosidade é intensa, fazendo com que os peixes sejam atraídos para
a superfície e provocando também um aumento de seu metabolismo e portanto de seu apetite, período ótimo.

Na Lua minguante nesta fase os peixes ainda estão na parte mais rasa das águas,
 aproveitando o que resta da luz, período bom.

Fonte:https://blog.pescacananeia.net.br/





Uma curiosidade dos nossos antepassados.


Na época de Minha avó não tinha canal do tempo.
 ela fazia previsões através da observação. 
Às vezes acertava, às vezes não. Dizia ela muito categórica:
Céu azul escuro: vento.
Céu claro e brilhante: bom tempo.
Céu azul leitoso: chuva.
Céu limpo com clarões no horizonte: tempo bom e calor .
Céu uniforme encoberto: calmaria.
Céu sem nuvens: vento.
Céu avermelhado ao pôr do sol: bom tempo no dia seguinte.
Céu amarelo brilhante ao, entardecer: 
geralmente é sinal de vento no dia seguinte.
Céu amarelo pálido: pode significar chuva.
CÉU Amarelo e alaranjado antes do pôr do sol: prenúncio de mau tempo.
CÉU Avermelhado antes do pôr do sol: prenúncio de bom tempo.
CÉU Avermelhado no nascer do sol: significa mudança de tempo.
Lua cheia com coroa ao seu redor: prenúncio de vento forte.
Lua com aureola de cerração: chuva
   

segunda-feira, 15 de abril de 2019

Pesca e a temperatura da água do mar

As variações de temperatura na água (mesmo que reduzidas) podem
afastar os peixes para zonas em que se sintam mais confortáveis.
 Os receptores de temperatura, na superfície corporal dos peixes, 
geralmente detectam diferenças de temperatura na
 ordem de 0,1ºC a 0,03ºC.  A temperatura da água difere bastante da 
temperatura ambiente, da proximidade e tipo de costa. 
Será o termômetro uma ferramenta indispensável ?
 O conhecimento da espécie e dos seus hábitos 
é fundamental. A experiência do pescador ensina-o que em
 determinadas águas existe uma espécie ou outra, 
mas nenhum de nós tem a noção da temperatura da água
 a profundidades maiores. Saber a temperatura da água torna-se
 uma ferramenta útil na definição do pesqueiro 
e da espécie a capturar evitando duas ou três horas de pesca
 em determinado local que, pela temperatura da água, aquela
 espécie não pode estar. A temperatura da água, na generalidade
 dos casos, diminui quando a profundidade aumenta.
Existem peixes que se sentem melhor 
em águas mais frias , outros de espécies tropicais
e subtropicais em águas bastantemais quente e ainda outros
 em que a margem de conforto térmico é mais ampla como 
por exemplo as Corvinas.

A temperatura à superfície
  • A temperatura da água é influenciada pelo sol ao incidir diretamente, por zonas 
  • de contacto próximas, rochas que absorveram energia solar durante o dia ,
  •  por águas paradas (baías, enseadas). As zonas de encontro entre águas 
  • de diferentes temperaturas, são zonas onde é comum existirem peixes, 
  • a explicação base é a de que nestas zonas existe uma zona próxima
  •  em que a temperatura de 
  • conforto é a mais adequada. Locais com rochas meio submersas, locais 
  • como os pilares da Plataforma de Pesca de Cidreira, zonas de foz,
  •  saídas de portos de abrigo são 
  • normalmente localizações ideais para pesca junto à superfície.

17-04-2019-
Nos Boletins diários da   Plataforma de Cidreira
sempre é informada a temperatura da água do mar nas proximidades da 
Ilha do Amor.
Observando-se as estatísticas por longos anos ,se observou que
a temperatura ideal para a pesca dos Papa Terras é de cerca de 15 graus para baixo.
Sendo que 13 graus é a temperatura que mais propicia a pesca deste ótimo troféu .
Estou falando dos Papa Terras mais escuros. No verão quando a temperatura da água
chega aos 20 graus ,podemos pescar no primeiro Valo próximo a Ilha os Papa Terras 
mais claros ,meio prateados. Nesta temperatura são atraídos cardumes de Peixes Rei,
bem como de Pescadas e Enchovas,principalmente nas Proximidades do T .
Nos meses de abril e maio ,ainda com temperaturas altas encostam cardumes
 de Tainhas em volta da Ilha do Amor.

Sete mentiras que muito pescador acredita

Sete mentiras que muito pescador acredita

Existem falsas regras e crenças que muito pescador leva em consideração e deixa de aproveitar a pescaria

Confira as sete mentiras que muito pescador acredita:

1 – “Na semana passada a pescaria foi melhor”

Quem nunca chegou numa pousada e ouviu do grupo que está saindo ou dos próprios funcionários esta célebre frase? Pode ter certeza que na maioria dos casos é mentira!

2 – “Iscas de hélice devem ser sempre trabalhadas em alta velocidade” 

Esta dica é muito comum, mas o “sempre” é o que pega. Na verdade, muitas vezes os peixes estão mais manhosos e só atacam as presas que demonstram pouca resistência. Neste caso, acelerar o trabalho da isca pode ser um erro. 

3 – Equipamento caro faz pescar melhor

Cuidado ao ouvir isto, sobretudo em uma loja. Quem faz a pesca é o pescador, não o equipamento. É claro que a escolha deve ser a melhor possível,  mas muitas vezes as opções mais baratas são tão eficientes quanto às custosas. 

4 – Pescar sem licença não faz diferença 

Sabe aquele amigo que fala “para quê licença, não tem fiscalização, não perca tempo”. Não dê ouvidos para ele. Pode ser que em algumas ocasiões ele conseguiu pescar e passou impune. Mas não espere para ver.
Pescar sem licença não é crime, mas rende multa e apreensão dos equipamentos – certamente muito mais caro do que o valor que você vai desembolsar para ter a carteirinha. 

5 – Em tempo frio e chuvoso não pega peixe

Esta é uma das maiores bobagens já ditas entre pescadores. É mais fácil e mais honesto o sujeito admitir que está com frio e certa preguiça. O peixe não foi embora da água. Está ali, talvez mais manhoso, mas se bem estimulado vai atacar. Como diz o famoso pescador Juninho: “só pega peixe quem pesca”. 

6 – Equipamento leve aumenta esportividade

Se você subdimensionar o equipamento para um determinado peixe, você pode estressar demais o peixe e no momento da soltura reparar que ele está quase morto. 

7 – Carretilha mais rápida é sempre melhor

 Para toda isca de toque e que exige recolhimento, a carretilha rápida é, de fato, mais interessante. No entanto, com o trabalho da isca feito diretamente com o recolhimento, uma carretilha rápida não é a mais indicada.
Use como exemplo a marcha da bicicleta em uma ladeira: neste caso você vai precisar de uma marca leve – o que na pesca implicaria na carretilha rápida. Já no percurso plano, que seria o equivalente a trabalhar uma isca de meia-água, você usaria uma marcha mais pesada para ter conforto e menos desgaste, o que podemos comparar com a carretilha mais lenta. 

sexta-feira, 12 de abril de 2019

Molinete x carretilha: qual é melhor para peixe grande?

Molinete x carretilha: qual é melhor para peixe grande?

Dois dos nossos especialistas, Tuba e Juninho, opinam sobre este tema

Molinete ou carretilha: qual é melhor para peixe grande? A dúvida entre o uso dos dois equipamentos de mesma função deixa muitos pescadores aflitos. Na verdade, ambos funcionam em qualquer situação, mas podem oferecer vantagens em modalidades específicas.
Tuba indica carretilhas de perfil redondo, por causa do maior torque proporcionado pelo tamanho das engrenagens. E para o corrico, por terem freios mais precisos. Já para a pesca com jigs, o molinete se destaca pela facilidade no manuseio.
Tanto com molinete ou com carretilha, o pescador deve mesmo ficar muito atento à regulagem do freio. O correto é deixá-lo com 1/3 a ¼ da resistência da linha usada.
Por exemplo: se a linha for de 30 lb, o pescador deve regulá-lo para 7 lb mais ou menos. Com o uso do aparelho drag checker ou com o auxílio de um alicate fish grip ou balança. “Acredito que essa é a melhor maneira de ajustar o equipamento”, opina Tuba.
Regulado o aparelho, o pescador não deve se esquecer de fazer “o movimento de braço” para cansar o peixe mais rápido.
“Em alguns momentos, temos que forçar a parada total do movimento do peixe, para evitar que ele vá a locais cheios de estruturas perigosas”, lembra Juninho.


quinta-feira, 4 de abril de 2019

Como Pescar Tainhas no Anzol na Plataforma de Cidreira


Clique aqui e acesse a Câmera da Plataforma de Cidreira


Iniciando o outono começam a encostar cardumes de Tainhas em volta da Ilha do Amor na Plataforma de Cidreira.Pois ali se concentram grandes quantidades de Algas ,que é o seu alimento preferido. Como  são grandes quantidades de Peixes ,em breve vão rareando estes alimentos. Então as Tainhas começam a ficar com mais fome ,e começam a experimentar novas alternativas de nutrientes.

Luciano Brunetta .Pescador constante de Tainhas na Plataforma de Cidreira

Neste cardápio os pescadores tem sucesso principalmente com figado de Boi ,deixado descansar de um dia para outro,ou secar ao sol.Muitos usam tingir com groselha,ou corante vermelho de bolo.

A gama de iscas é grande como: Peito de Frango ,neste colocam groselha para ficar vermelha,camarão fedido,tripa desidratada,testículo de boi ,miolo de pão,miçangas ,Ova de Papa Terra congelada e assim vai.
Sempre se tentando até achar a escolha do dia.Pois é muito variável a sua preferencia.
Outro segredo é achar a profundidade que se encontra o cardume .Muitos pescadores usam boias que vão regulando até a altura perfeita.
Pode-se Cevar com um saco de pão ,tendo se o cuidado para ancorá-lo com uma corda amarrada a uma pedra.Quando a farinha começa a se espalhar ao mar,e você notar que elas estão nadando ao redor, lance seus anzóis
 nas proximidades ,tendo o cuidado de não enganchar no saco da ceva.






A boca da  tainha é pequena,portanto use  anzol de 8 a 14,de preferencia não use anzol preto. Coloque uma isca não maior que um grão de feijão ,para caber na sua boca .


segunda-feira, 1 de abril de 2019

Memória das linhas.

Memória das linhas



Devido à forma como estão enroladas nos carretéis 
as linhas têm a tendência a assumirem a forma de espirais.
 A capacidade de resistência a estas deformações determina
 a memória das linhas, sendo sempre melhor linhas 
com baixas memórias.


Cores das linhas: Transparentes ou coloridas, tudo depende 
das opções dos pescadores. As cores vivas possibilitam uma melhor
 visibilidade da linha, permitindo aos pescadores verem 
onde estas caem e por onde passam, o que é importante para 
quem pesca ao lado
 de outros pescadores,no caso de cruzamentos.



                                                                                                                                                            

Dica sobre a conservação da linhas de pesca.




A forma que alguns pescadores utilizam
 para conservarem 
as linhas de pesca em condições aceitáveis
 pelo maior tempo possível consiste em
 após a chegada da pescaria, passarem 
as bobinas dos molinetes ou carretilhas
 por água doce corrente durante uns 
momentos e depois deixá-las
 de molho, completamente submersas,
 dentro de um recipiente com água
 doce a que adicionam uma colher 

de sopa de vaselina líquida, 
durante 2/3 horas.
 Com este método garantem um
 período de vida muito maior às linhas, bem como
 as respectivas características.